Com a campanha de conscientização, o Instituto Espaço de Vida retorna ao Rio de Janeiro para alertar a população sobre a acromegalia, doença que muitas vezes passa despercebida, mas que é tratável. Nesta quinta-feira, 13 de setembro, a campanha distribuirá materiais de alerta aos sinais e sintomas da acromegalia e terá equipe para esclarecimentos na Central do Brasil, Mercadão da Madureira e Complexo do Alemão.

 

Acromegalia (acro = aumento; megalia = extremidades) é uma doença que tem como causa a produção excessiva de hormônio de crescimento (GH) na idade adulta, quando as cartilagens de crescimento já estão fechadas. Se a doença se manifestar na infância ou na adolescência, quando as cartilagens de crescimento dos ossos ainda estão abertas, é chamada de gigantismo.

 

Christine Battistini, fundadora do Espaço de Vida, explica que a pessoa que tem acromegalia apresenta aumento dos ossos da face e de extremidades do corpo, como mãos e pés, típicos da doença. “O personagem Shrek, do famoso desenho que leva seu nome, é um exemplo de acromegálico”, faz referência Battistini. “No início, as alterações são mais sutis e a pessoa pode nem perceber, mas vai se agravando se não tratar”, alerta.

 

O endocrinologista Marcello Bronstein, médico e professor de endocrinologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, diz ainda que a acromegalia também afeta órgãos. “Há aumento do coração, fígado, rins, intestinos, etc., ou seja, esta doença representa um quadro generalizado do aumento da estrutura do organismo” diz.

 

Além das alterações no corpo, a acromegalia também causa suor excessivo, dor de cabeça, formigamentos nas mãos, dores nas articulações, cansaço excessivo, alterações na visão, disfunções sexuais, distúrbios menstruais, diabetes, roncos, pressão alta, apnéia do sono e aumento da tireóide.

 

Sintomas que podem levar a suspeita da doença

– As mãos e os pés crescem, não servindo mais os sapatos e nem os anéis;

– A região frontal do rosto e a testa se alargam;

– O queixo fica proeminente;

– Espaçamento entre os dentes e perda dentária;

– Aumento do volume do tórax, lábios, nariz e genitais;

– Os lábios ficam mais grossos.

 

O diagnóstico pode ser feito a partir da dosagem do hormônio de crescimento (GH) ou por uma curva glicêmica com dosagem de GH. “Se você verificar estas características em alguém da família, amigo ou em você mesmo, procure seu médico para realizar os exames necessários. Quanto mais cedo for diagnosticado, melhor sucesso haverá no tratamento”, afirma Bronstein.

O tratamento da acromegalia pode ser feito por meio de cirurgia ou de medicamentos. Hoje já são disponibilizados medicamentos fornecidos pelo SUS, como o octreotida (Sandostatin), que regula a produção de GH e o crescimento celular. Dr. Marcelo defende que outros remédios também sejam incorporados na rede pública, como o pegvisomanto (Somavert). “Ele funciona em caso de resistência a outros medicamentos”, finaliza o médico.

 

SERVIÇO

Rio de Janeiro

13 de setembro de 2012

  • Central do Brasil
  • Mercadão da Madureira
  • Complexo do Alemão.

 

Mais informações: www.espacodevida.org.br

 

 

Instituto Espaço de Vida

A ideia do Espaço de Vida é que pacientes e médicos bem informados resultam em qualidade de vida, mesmo depois do diagnóstico de doenças dos mais diversos tipos. O Instituto surgiu da história de sua fundadora, Christine Battistini, ao enfrentar o câncer de mama. “Durante o período de diagnóstico foi difícil encontrar informação consistente e atualizada voltada à pacientes. As orientações eram desencontradas e escassas na comunidade brasileira”, explica Christine. O conteúdo principal do Instituto sobre doenças, como câncer de mama, câncer renal, metástase óssea e acromegalia, é apresentado em tópicos de saúde, que explicam desde o surgimento da enfermidade até seu tratamento, com vídeos e entrevistas exclusivas de especialistas para cada tema (realizadas pelo próprio Instituto). Acesse www.espacodevida.org.br e curta a fan page no facebook www.facebook.com/espacodevida .