Ação Comunitária, ONG com foco na educação e localizada em São Paulo, foi a única a relatar experiências em evento internacional

De 24 a 26 de abril, em Portugal, aconteceu o I Congresso Internacional de Animação Sociocultural: Turismo, Patrimônio, Cultura e Desenvolvimento Local. O evento teve como objetivo fomentar o debate sobre a animação sociocultural[1] e seu impacto na melhoria de problemáticas sociais, como desemprego, intolerância, xenofobia, pobreza, analfabetismo, globalização e abandono escolar. Dentre as instituições presentes no congresso havia apenas uma ONG e ela era brasileira. A Ação Comunitária participou com o envio do artigo Viver Comunidade! Lazer e Fortalecimento Comunitário, baseado em livro de mesmo nome publicado pela entidade em 2013. O conteúdo traz as metodologias de trabalho adotadas pela ONG e sua experiência com projetos e implementação de desenvolvimento comunitário. Representando a Ação Comunitária estava a Gerente de Desenvolvimento Comunitário, Deise Rodrigues Sartori. O artigo foi submetido a uma comissão científica composta por professores doutores da USP, Instituto Politécnico de Porto Alegre, Universidade de Trás os Montes e Alto Douro, Universidade de Santiago de Compostela, Universidade Castilha de la Mancha e Universidade Federal do Paraná, e resultou na publicação colaborativa do livro Animação Sociocultural Turismo, Patrimônio, Cultura e Desenvolvimento Local, composto pelos melhores textos do segmento apresentados no evento. “A participação da Ação Comunitária é um reflexo do planejamento estratégico realizado em 2013, cujo um dos objetivos é se aproximar de universidades para documentar e expandir o nosso conhecimento”, explicou Maurício Guimarães, gerente de Mobilização de Recursos da ONG.

SOBRE A AÇÃO COMUNITÁRIA: Fundada em 1967, a Ação Comunitária do Brasil – SP é uma organização auditada, que luta contra a exclusão social por meio do trabalho de desenvolvimento comunitário com famílias, cursos profissionalizantes para jovens até 29 anos e educação para crianças e adolescentes de 0 a 18 anos, em bairros de alta vulnerabilidade da cidade de São Paulo. Mais informações no site: http://www.acomunitaria.org.br/ 



[1] Conjunto de práticas sociais que buscam estimular o protagonismo dos cidadãos no processo de desenvolvimento de suas próprias comunidades e na dinâmica social global que estão integrados.